20.02.14 • Em Livros, Reflexão

Falar sobre livros de autoajuda é um assunto delicado. Mesmo que aqui no blog eu já tenha feito vários posts com dicas de livros do gênero (e eles são sempre bem aceitos), quando a palavra “autoajuda” entra na conversa, muita gente torce o nariz, diz que é tudo bobagem, que os autores só querem dinheiro fácil e várias outras críticas negativas. Ninguém é obrigado a gostar de um tipo de livro, é claro, mas muitos destes comentários são causados ou por preconceito de quem nunca procurou entender mais o assunto ou por quem leu e não obteve aquilo que o nome promete: que a leitura ajude a melhorar alguma área da sua vida. Esse post é destinado às pessoas do segundo caso.

livros de autoajuda

Você assistiu ao documentário ou leu o livro The Secret? Se sim, tentou realmente fazer o que ele ensinava? Trabalhou seus pensamentos para que eles fossem positivos, fez um mural de visualização com fotos de seus objetivos, se imaginou dentro das situações que deseja para a sua vida?

Praticamente todos os livros de autoajuda sobre sucesso dizem o mesmo: você precisa encontrar sua paixão (ou seu propósito, ou sua missão), e oferecem exercícios de autoconhecimento, geralmente com diferentes perguntas para você fazer a si mesmo. Quando se depara com este tipo exercício, você para e responde as perguntas? Reflete profundamente sobre o assunto? Ou apenas segue a leitura?

Mais um exemplo: se você já procurou ler sobre como diminuir o stress e ter uma vida mais leve, provavelmente já se deparou com o conselho de praticar meditação. Você tentou? Leu como se faz, foi para um lugar confortável, sentou-se e tentou limpar seus pensamentos?

Estes livros, artigos, matérias e documentários estão cheios de orientações simples que podem ser aplicadas na sua vida facilmente, se você quiser. Raramente um autoajuda vai falar sobre coisas que precisam de muito dinheiro, qualificação ou preparo para serem feitas. Você sempre pode começar de onde está e com o que tem. Por que então nada acontece depois que você termina de ler?

livros autoajuda

Você lê um livro atrás do outro, aprende várias visões sobre determinado assunto, se identifica, abre a cabeça para o novo aprendizado, descobre diversas técnicas e, depois de tanto conhecimento absorvido, nada acontece. Você achou que tinha encontrado a chave para a felicidade e o sucesso, mas nada mudou. Sua rotina está igual, os problemas não se resolveram e você não se sente nem um pouco melhor.

O problema é: saber não é suficiente.

Você pode ter aprendido e até decorado cada palavra, lido com a melhor das intenções e realmente ter entrado de coração aberto na leitura. Só que intenção apenas não basta, é preciso ação. Saber fazer é diferente de realmente fazer. Quando foi que você aplicou na sua vida – em forma de ação – alguma coisa que aprendeu nestes livros?

Uma boa dica para fazer os livros de autoajuda realmente te ajudarem é: leia-os com papel e caneta na mão. Não grife ou sublinhe, porque provavelmente não irá reler depois, você precisa escrever e deixar registrado num lugar que veja sempre. Faça uma lista daquilo que acredita que pode funcionar para você, que parece ser uma possível solução para o seu problema. Escreva em poucas palavras, não precisa passar de uma linha, pois o conhecimento geral você já absorveu. Leve a lista com você ou consulte-a com frequência, sempre verificando se está cumprindo os itens. Aqueles que você já começou a cumprir, podem ganhar um check ao lado da anotação. Os que ainda não tiver começado, ao reler você se lembrará que precisa fazê-los.

Pode parecer uma coisa muito simples, mas dou a dica porque isto tem sido parte do meu processo de me tornar uma pessoa melhor e mais feliz, e está funcionando. Os livros são uma fonte infinita de aprendizado e nós somos uma fonte infinita de capacidade de realizar coisas. Aliar estes dois fatos te dá o poder que você precisa para mudar o que quiser na sua vida. É claro que não existem apenas livros bons e nem todos têm poder suficiente para mudar a vida de qualquer pessoa. Mas estou falando daqueles que você lê e realmente acha que aquilo faz sentido e poderia funcionar para você. Por que não levantar da cadeira, colocar a mão na massa e tentar?

No final, qualquer coisa que você aprenda, seja em livros, blogs, com conselhos de outras pessoas ou assistindo a filmes e palestras, não causará efeito nenhum na sua vida se você não estiver disposto a transformar o que aprendeu em ações próprias. A leitura pode alterar completamente a sua cabeça e forma de pensar, mas, sozinha, não tem o poder de transformar a sua realidade. Colecionar livros de autoajuda não muda a sua vida, e a culpa não é do livro, do autor, da editora, ou de quem inventou o gênero. Leia, mas não deposite suas esperanças nos livros, deposite-a em você.

livros auto ajuda

Eu também já li muitos livros do gênero apenas por achar interessante e por me identificar com algumas ideias que pareciam realmente funcionar, mas não aplicava nada, apenas absorvia o conhecimento e não o usava. O primeiro livro que lembro de ter colocado em prática foi o The Secret. A partir daí percebi que as coisas só aconteceriam se eu transformasse os ensinamentos em ações. Posso citar alguns exemplos de como livros de auto ajuda e blogs sobre o assunto me ajudaram quando coloquei em prática o que aprendi com eles:

– O livro The Secret mudou para sempre minha maneira de pensar e agir, e foi fundamental em um período difícil da minha vida. O pensamento positivo foi o que me ajudou a suportar e ter força quando minha mãe ficou doente e a ter fé quando fui diagnosticada com uma doença grave em 2011.

– Por causa do post “5 motivos para não praticar yoga“, no blog Respire, eu tomei a decisão de começar a praticar yoga, atividade que está trazendo inúmeros benefícios para a minha vida.

– Fazer os exercícios propostos no livro Escolha sua Vida, da Paula Abreu, me ajudou a finalmente descobrir o que eu quero fazer profissionalmente para o resto da minha vida.

– O livro Projeto Felicidade me ensinou uma atividade super simples, mas que está me ajudando a ver que coisas boas acontecem todos os dias: anotar, diariamente, em uma agenda, algo de bom que tenha acontecido naquele dia.

Você gosta de livros de autoajuda? Algum deles já fez diferença na sua vida?



Curta o Desassossegada no Facebook para acompanhar todos os posts e novidades do blog!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Postado por Stephanie Gomes

Comente usando seu Facebook





10 Comentaram para “Por que os livros de autoajuda não estão te ajudando”


G
1. Bruna
20/02/2014 às 11:11

Esse gênero de leitura sempre me agradou muito. Acho que pelo fato de eu gostar bastante de psicologia, sempre li livros desse estilo. O Augusto Cury é um dos meus autores preferidos, embora ultimamente eu ache que os livros dele são muito repetitivos.

Hoje mesmo postei no blog sobre um livro muito legal que li, chamado “Você pode curar sua vida”. Concordo plenamente com você que precisamos agir, botar a mão na massa pra que as mudanças realmente aconteçam em nossas vidas!

Abraço!


G
2. Stephanie
20/02/2014 às 13:58

Eu preciso urgentemente ler um livro do Augusto Cury! Nunca li, e todo mundo me recomenda! Tem algum dele que você goste mais pra me recomendar como primeira leitura? Tem vários títulos dele que me chamam a atenção…

Vou lá ver o post no seu blog! Esse também é um dos que está na minha lista de próximas leituras!

Beijos


G
3. daniela navaes
21/02/2014 às 09:29

eu particularmente nunca li nenhum livro de auto-ajuda, e confesso que já tive um certo preconceito, mas hoje não tenho mais.

sobre o que você disse, é tudo verdade, e isso é por causa de um hábito muito simples que as pessoas têm: preguiça. sim, eu considero preguiça um hábito, porque é uma ação: a ação de escolher a inércia, de não fazer esforço para mudar a direção.

as pessoas querem as coisas prontas, sem esforço, mas é bem como você disse: só o conhecimento não traz resultado. não adianta saber e não experimentar, não sentir. é preciso mudar a direção dos pensamentos e ações para vivenciar mudanças de vida, mesmo que pequenas! para isso é preciso um esforço inicial, que com o tempo se transforma em hábito. 🙂

fico muito feliz em saber que o meu post ajudou alguém a gerar mudanças na própria vida, ainda mais com Yoga! continue praticando, pois é um universo muito grande, onde sempre (SEMPRE) há algo novo para aprender e descobrir.

namastê!


G
4. Stephanie
22/02/2014 às 09:58

Sim Daniela, é isso mesmo! Preguiça, acomodação, mania de achar que as coisas caem do céu… A vida me ensinou que não é assim que as coisas funcionam e, enquanto eu não estava fazendo nada para ser feliz, estava cada dia mais triste, entediada e até com raiva. A partir do momento que comecei a agir, as coisas mudaram. Não é difícil!

Seu blog é uma inspiração pra mim, um dos meus favoritos!

Beijos!


G
5. Aldo Marcondes
26/02/2014 às 04:34

Livros de autoajuda, com suas fórmulas mágicas, conselhos pomposos e edificantes, servem apenas para cabeças fracas, desacostumadas a pensar por si próprias!!!!!!


G
6. Stephanie
26/02/2014 às 09:22

Oi Aldo! Como falei no post, sei que há pessoas que não gostam do gênero e não vejo problema nisso, é como qualquer outro… Acredito que, como qualquer outro estilo de leitura, há livros bons e ruins. Na minha opinião, há livros de autoajuda que podem sim ajudar, falo isso por experiência própria, mas respeito sua opinião, é claro.

Obrigada por comentar!

Abraços


G
7. Raiane
02/06/2014 às 14:26

Confesso que a uns 5 meses atrás eu me incluía no primeiro grupo, achava que os livros de autoajuda não ajudavam em nada, todavia a vida nos prega muitas peças, doenças, separação e uma dissertação de mestrado mudaram o rumo da minha vida e de tudo que eu já tinha como certo, precisava de ajuda e as encontrei exatamente nesses livros, o ditado “nunca diga nunca” é verídico minha gente. Ainda não voltei a ser a mesma Raiane, mas Deus e as leituras estão sendo um bálsamo em minha vida e tenho certeza que esse tipo de leitura mudará por completo minha vida.
Também comecei a fazer listinha que carrego para todo lado com o que tenho aprendido, toda vez que vejo que vai surgir uma crise eu as pego, penso positivo e sigo em frente.
Vamos que vamos!!!!!!


G
8. Stephanie
03/06/2014 às 11:01

Oi Raiane, obrigada pelo seu comentário! Fico muito feliz em saber que os livros te ajudaram, porque vejo que não sou a única, eles me ajudaram muito também.

Eu acho que qualquer tipo de mensagem positiva que nós possamos receber é válida, basta estarmos abertos, receptivos e dispostos a aplicá-las em nossas vidas. É essa também uma das dificuldades que algumas pessoas têm em relação aos livros de autoajuda.

Essa ideia da listinha é excelente!

Beijos!


G
9. Joelma Silva
30/09/2016 às 19:57

olá!Stephanie Comes
conheci hj seu blog,achei interessante estou a pouco tempo lendo,livros de autoajuda são os meus preferidos! gostei dos comentarios do seu blog.um abraço


G
10. Stephanie
04/10/2016 às 06:41

Oi Joelma, bem-vinda!

Aproveite muito as leituras e coloque em ação aquilo que fizer sentido para você 🙂 minha vida mudou muito depois que comecei a ler livros de autoajuda.

Apareça mais vezes por aqui!

Beijos



Comentar

Nome:

Email:

Site/Blog: