08.12.14 • Em Livros, Saúde

Livro - Você tem fome de quê?

O nome e a descrição do livro Você tem fome de quê?, do Deepak Chopra, podem enganar à primeira vista. A capa diz: “A solução definitiva para perder peso, ganhar confiança e viver com leveza”. Parece apenas mais um livro sobre dietas, mas ele vai muito além da relação entre comida e corpo. Além de falar sobre a importância de uma alimentação limpa e nutritiva, se preocupa em mostrar que a delicada questão do sobrepeso e da alimentação não saudável engloba o todo: corpo, mente e espírito.

A ideia do livro não é falar sobre aparência ou a busca pelo “corpo ideal”, e sim sobre o caminho para a satisfação e a felicidade verdadeiras, que envolvem também a forma como nos alimentamos. Não é apenas sobre quais alimentos escolher, mas sobre todo o processo de escolha envolvido na alimentação. Você tem fome de quê? mostra que, muitas vezes, nossa fome não é de comida e sim de algo muito mais profundo que nos faz falta. É mais comum do que se imagina usarmos a comida para conseguirmos uma falsa e temporária sensação de satisfação, que deveria ser suprida de outra forma.

Quem nunca tomou a rápida decisão de comer alguma coisa num momento em que se sentiu entediado, triste, magoado, estressado ou desesperançado? Isso nada mais é do que fazer uso emocional do alimento. Só que comida não é emoção, não é sentimento, não é elixir da felicidade. Quando o que necessitamos é alegria, companheirismo, amor, afeto, propósito, paz, contentamento ou afins, precisamos buscar por estas coisas, e não por comida. O problema é que estes sentimentos precisam de uma busca muito mais profunda, trabalhosa e demorada, e a geladeira fica a apenas alguns passos de distância.

Nosso corpo é um reflexo físico das escolhas que fazemos ao longo da vida. Se você não tem um corpo saudável (e aqui não estou falando de músculos definidos, barriga negativa e padrão de beleza, mas sim do peso que é considerado saudável) é provável que esteja buscando satisfação no lugar errado. É justamente este o ponto base do livro: o excesso no consumo de alimento tem sua origem na insatisfação.

A mente é a chave para a perda de peso. Quando ela está satisfeita, o corpo para de ansiar por mais comida.

Para perder peso é necessário se preencher. Todo mundo quer se sentir amado, seguro e querido. Todo mundo quer ter uma vida significativa e feliz. Todo mundo quer paz e emoções positivas. E cada um de nós tem um monte de outros desejos e necessidades. Quando preenchemos estas necessidades, a comida deixa de ser um substituto ao que realmente queremos e se torna apenas mais um prazer entre muitos. Se tivermos a satisfação que realmente precisamos, não nos alimentaremos mais em excesso. Comer não é um erro, muito pelo contrário! “Comer é uma maneira natural de se sentir feliz”. Mas, a partir do momento em que usamos a comida para encobrir sentimentos negativos e compensar o que nos falta, não estamos mais falando em verdadeira felicidade.

livro1

Quando tiver o impulso de pegar algo para comer fora de hora, pergunte-se: o que eu estou sentindo é fome ou necessidade de consolo? É fome ou tédio? Fome ou inquietude? Fome ou nervoso? Caso a resposta seja uma das segundas opções, vá procurar uma forma de preencher estas necessidades, e não comer.

Ter uma vida satisfatória não é tão fácil quanto assistir a um campeonato com um prato de salgadinhos no colo. Mas garanto que a jornada em busca da satisfação é o projeto mais estimulante que alguém pode assumir.

Fazer regime é a solução? Não! Porque o regime não leva em conta a satisfação, pelo contrário. Fazendo regime, ficamos infelizes no presente por uma promessa de que ficaremos felizes no futuro. E a felicidade tem que acontecer aqui e agora, senão ela é apenas um sonho, não é real.

Consciência. Essa é a resposta que o autor Deepak Chopra oferece para revertermos o problema do sobrepeso e da compulsão por comida. Tudo começa em nossa mente, então, se formos capazes de mudar as mensagens negativas, nos livrarmos de padrões do passado e nos tornarmos conscientes daquilo que estamos fazendo, estaremos saudáveis de corpo e mente.

Em primeiro lugar, é preciso substituir pensamentos destrutivos por construtivos:

Destrutivo: Já tentei de tudo, mas nada funcionou. Talvez seja melhor desistir.
Construtivo: Hoje é um novo dia. Seja lá o que aconteceu antes, não conta. Sempre posso recomeçar.

Destrutivo: Sei o que deveria comer, mas não resisto às tentações.
Construtivo: Esses desejos indicam que meu corpo quer ser emocionalmente satisfeito. Vou escutá-lo e dar a ele o que realmente precisa.

É preciso também substituir as palavras negativas que carregamos em nosso pensamentos – preguiçoso, derrotado, fracassado, guloso, relaxado, feio – por palavras que carregam positividade: leveza, sucesso, esperança, renovação, liberdade.

O segundo (e mais importante) passo é entender que é pela falta de consciência do que estamos fazendo que muitas vezes somos vencidos por hábitos, emoções negativas, falta de controle e influência das pessoas. Quando estamos conscientes do que queremos e prestamos atenção ao que estamos fazendo, a alimentação deixa de ser um problema. Quando nos alimentamos inconscientemente, nossa mente “dá um branco” e não nos damos conta do que estamos fazendo, perdendo o controle. Exercitar a consciência é o que vai te livrar dos erros condicionados e permitir que tenha liberdade mental para escolher o melhor. “Nós não temos controle do que não temos consciência”. E a alegria está justamente no despertar para enxergarmos a nossa situação no presente. Só assim conseguimos senti-la.

Você tem fome de quê?

Você pode fazer algumas pequenas mudanças no ato de comer para aumentar a sua atenção e consciência:

– Faça as refeições sentado em uma mesa, sem distrações.
– Aprecie cada garfada, dando atenção ao sabor e aroma e mastigando mais vezes
– Coma no ritmo mais lento que puder
– Não encha o garfo enquanto não tiver mastigado o que está na boca
– Procure não comer quando estiver emocionalmente desequilibrado (de mau humor, preocupado, com raiva…)

Parece difícil tomar uma boa decisão quando nossas emoções não estão equilibradas (é justamente nestes momentos que escolhemos errado), mas para ajudar a melhorar isso, alguns exercícios de consciência, feitos no dia a dia, podem tornar a consciência mais fácil e acessível:

1) Exercite a atenção em momentos do cotidiano: ao escovar os dentes, sinta o movimento do seu braço e o toque da escova nos dentes; quando comer ou beber algo, não faça nenhuma outra atividade, apenas sinta o gosto do que está ingerindo; ao secar o cabelo, perceba o toque dos dedos nos fios; quando estiver trabalhando no piloto automático, preste atenção à sua respiração e aos dedos digitando ou escrevendo; ao se deitar para dormir, sinta o conforto da cama, a temperatura do corpo se ajustando, os membros relaxando. Faça isso sempre que se lembrar.

2) Quando estiver parado (numa fila, sala de espera, ônibus etc) observe quatro coisas: como seu corpo se sente, que imagens estão na sua mente, como está seu humor e quais pensamentos vão e vêm na sua cabeça. Toda vez que você se pergunta o que está acontecendo dentro de você está usando a consciência.

3) Ao se deitar para dormir, repasse o seu dia durante cinco minutos. Relembre cada acontecimento significativo e sinta-se bem e grato pelo dia vivido, sabendo que poderá lidar no dia seguinte com o que não foi feito ou não foi terminado. Se há algo em sua mente que você precisa resolver ou lembrar, escreva em um papel para não ficar preocupado se vai esquecê-la.

4) Em um lugar sossegado, feche os olhos, respire fundo e atente para os batimentos do seu coração. Deixe que sua atenção permaneça ali. Se pensamentos surgirem, concentre-se de novo assim que perceber. Depois de alguns minutos, abra os olhos e volte às suas atividades. Durante a meia hora seguinte, observe se permanece centrado.

livro Você tem fome de quê?

Algumas dicas que o livro dá para uma vida mais leve, nutrida, satisfeita e consciente:

Para a mente:

  • Não se entregue a julgamentos negativos sobre seu corpo
  • Nutra sua alma com leituras positivas e inspiradoras
  • Preste atenção e aprecie o sabor da comida durante a mastigação
  • Leve mais tempo para tomar suas decisões sobre a alimentação
  • Seja paciente com você mesmo quando tiver recaídas
  • Não reprima seus sentimentos

Para o espírito:

  • Todo dia, faça algo que te deixe de coração leve
  • Seja mais gentil com você mesmo e com os outros
  • Tenha gestos mais leves e faça suas atividades com menos pressa
  • Quando se sentir alegre, expresse-se
  • Junte-se a pessoas que são fonte de inspiração para você
  • Reduza as experiência estressantes
  • Encontre um estilo de vida que te faça feliz

Para o corpo:

  • Prefira alimentos mais leves, frescos e naturais
  • Diminua o consumo de alimentos processados e industrializados
  • Coma verduras verde escuras, como espinafre e couve
  • Pare de comer quando estiver razoavelmente satisfeito, não coma até ficar empanturrado
  • Varie os alimentos
  • Escolha exercícios físicos que proporcionem energia e leveza
  • Não deixe de comer quando sentir fome

E o principal: se estiver cansado, descanse. Se estiver entediado, encontre algo para fazer. Se estiver estressado, faça algo que você sabe que te traz bem-estar. Se quiser chorar, chore. Se estiver com fome, coma. Se esforce para colocar o máximo de consciência possível em suas emoções e sensações, para entendê-las e então buscar o que você realmente necessita. Não tente resolver tudo com comida. Busque a verdade dentro de você.

O livro tem muito mais informações do que eu consegui colocar aqui. Tive que pular muitas coisas interessantes para o post não ficar enorme, então, se você tem interesse neste assunto eu recomendo muito que leia o livro. Não apenas para quem procura solução para o sobrepeso, mas a todos que se interessam por saúde e alimentação saudável. O livro se aprofunda bastante no tema consciência e também dá dicas de alimentos para incluir na alimentação, explicando seus benefícios. É bastante explicativo e inspirador.



Curta o Desassossegada no Facebook para acompanhar todos os posts e novidades do blog!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Postado por Stephanie Gomes

Comente usando seu Facebook





2 Comentaram para “Você tem fome de quê?”


1. Leituras da semana | Frugalidades
21/12/2014 às 22:39

[…] Vamos refletir um pouco sobre nossa relação com a comida? – no […]


G
2. Lúcia
22/03/2015 às 17:52

Que legal, ainda não tenho esse livro e estou louca para ler. Já tenho alguns livros e DVDs do Deepak Chopra e gosto muito do trabalho dele.



Comentar

Nome:

Email:

Site/Blog: