12.09.16 • Em Reflexão

Cada dia que passa eu me convenço mais de que separar as coisas em “bom” ou “ruim” não é a resposta para nada e que, na dúvida, o melhor caminho é sempre refletir, buscar autoconhecimento, ter consciência da nossa verdade e observar como cada atitude ou pensamento age dentro e fora de nós. A partir daí é que devemos tomar nossas decisões e fazer nossas escolhas, e não baseados em uma regra ou conceito pré-definido do que é certo ou errado, bom ou ruim.

Criar expectativa: bom ou ruim?

“Nunca crie expectativas!”

Quem nunca recebeu esse conselho de alguém?

“Acredite nos seus sonhos!”

Quem nunca ouviu esse também?

Vivo recebendo esses conselhos ou ouvindo pessoas dizendo a outras e sempre fico confusa. Como vou acreditar nos meus sonhos sem criar a expectativa de realizá-los?

Eu sinto que esse conselho, na maioria das vezes, funciona mais como um grande balde de água fria do que como algo que realmente faz sentido colocar em prática. Você tá lá feliz da vida curtindo seu novo relacionamento, seu novo emprego, um projeto que resolveu colocar em prática e do nada… PÁ! Alguém diz pra você ir mais devagar, não se entregar tanto, sonhar com menos intensidade, não alimentar tanto as esperanças…

Mas será que criar expectativas é tão ruim assim? Será que “não criar expectativas” deve ser uma regra?

Criar expectativa: bom ou ruim?

Criar expectativa pode ser ruim quando essa expectativa é em forma de ansiedade, de querer que as coisas aconteçam exatamente do jeito que você planejou e não aceitar de outra forma, de colocar pressão no outro para que ele seja como você espera, de querer a perfeição e nada menos do que isso. Os resultados de atitudes como essas costumam ser desastrosos.

Esperar que o relacionamento seja igual um conto de fadas, que cada passo de uma viagem aconteça exatamente como você imaginou, que você um dia seja perfeito e que tudo ocorra sempre como planejado é expectativa na forma de CONTROLE, e isso faz com que você se feche e não consiga desenvolver habilidades importantes como a aceitação, a empatia e o jogo de cintura diante de situações fora da sua zona de conforto.

Mas criar expectativa é muito bom quando a expectativa tem formato de fé, de acreditar em si mesmo, de esperança, de correr atrás do que deseja com amor e paciência, de entrar em sintonia com a vibração daquilo que você quer. É bom quando você está em um relacionamento e deseja que ele seja bom para ambas as partes, então vive com intensidade, aproveita e se entrega verdadeiramente à relação, sem medo da possibilidade de acabar frustrado. É ótimo quando você consegue ver como quer estar daqui a cinco anos e usa essa expectativa com entusiasmo para se planejar e correr atrás do seu objetivo.

Sim, existem os dois lados. O problema é que quando definimos como regra o “nunca crie expectativas”, colocamos tudo no mesmo saco (como se criar expectativa fosse de qualquer forma algo MUITO RUIM) e limitamos o quanto vamos aproveitar o momento presente, nos privamos da sensação deliciosa de fazer planos e nos afastamos da possibilidade de viver uma experiência que poderia ser muito mais incrível se nos entregássemos de corpo e alma.

Criar expectativa: bom ou ruim?

Aí você me pergunta: e se algum dia meu relacionamento acabar, eu começar a perceber que o emprego não era tão legal assim, enjoar daquela ideia que estava tão empolgado para colocar em prática…? Ué, essa é a vida, não? Não temos como controlar todas as suas indas e vindas, o fluir das mudanças e as transformações que ocorrem dentro e fora de nós. Você vai deixar de sonhar, de planejar e de curtir aquela coisa boa que está acontecendo no momento presente por medo de um dia talvez aquilo acabar, perder a graça ou ficar ruim?

Pode não ser tão legal como você imaginava? Pode! Pode acabar a graça? Pode! Mas e se tiver tudo para dar certo e, por você se privar de se entregar verdadeiramente ao que está vivendo, acabar transformando o que poderia ser incrível em uma coisa “mais ou menos”? Pra que encher o momento presente de limites, medos e preocupações, se ele está se mostrando tão bom?

Eu prefiro acreditar, ter fé, sonhar, imaginar e correr atrás daquilo que eu quero com a expectativa de que vou realizar do que viver me protegendo da possibilidade de ficar frustrado e nunca buscar nada, nem sonhar. Eu prefiro me jogar no presente e ao mesmo tempo me permitir o prazer de sonhar e acreditar no amanhã do que reprimir os meus desejos e vontades por medo de uma possível decepção. De uma forma ou de outra estamos imaginando o futuro, sem a menor certeza do que virá. Já que é pra imaginar o futuro, que seja de forma gostosa, positiva e do jeito que a gente quer!



Curta o Desassossegada no Facebook para acompanhar todos os posts e novidades do blog!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Postado por Stephanie Gomes

Comente usando seu Facebook





4 Comentaram para “Criar expectativa: bom ou ruim?”


G
1. Aryana
12/09/2016 às 21:22

Que texto incrível!!! Perfeito


G
2. André
13/09/2016 às 08:06

Eu ainda não havia pensado dessa forma, Stephanie. Ouço esse mantra “Nunca crie expectativas” não é de hoje. É como se as pessoas quisessem nos ‘proteger’ de algo, blindar-nos de algum sofrimento. E o pior que automaticamente tomamos isso como verdade e vamos vivendo de forma superficial. O que me faz lembrar um vídeo da psicóloga Viviane Mosé no qual ela questiona que tipo de ser humanos nos tornamos quando a todo custo evitamos sofrimentos. Já que sofrer faz parte da vida, e é indiscutível que ao passar por um problema nós amadurecemos. É tão mais proveitoso quando estamos inteiros numa relação, num projeto ou em algum trabalho. Quando somos nós mesmos, com toda a intensidade que (naturalmente) temos. E se isso vai trazer somente coisas boas? Na verdade, não há como sabe;, o que não acho inteligente é deixar de viver por medo de sofrer. Bjão!


G
3. Stephanie
18/09/2016 às 18:11

Exatamente, André!!! Essa é apenas uma das inúmeras coisas que ouvimos falar e acabamos tomando como verdade, sem refletir se realmente é assim que as coisas funcionam.

Vou procurar esse vídeo que você falou! Isso me lembra bastante os ensinamentos do budismo, e muito me interessa aprender e refletir mais sobre isso 🙂

Beijos!


G
4. Carol
14/09/2016 às 13:45

EU PRECISAVA LER ISSO!
Veio na hora certa! <3



Comentar

Nome:

Email:

Site/Blog: