26.01.15 • Em Reflexão

Dá pra ter certeza de que você está no caminho certo e vai chegar aonde deseja? Não, não dá. Nós mudamos, nossas vontades mudam, as pessoas mudam, o ambiente muda e nossa vida pode dar reviravoltas totalmente inesperadas. Sendo assim, o que fazer? Será melhor não lutar, não buscar, não tentar e não fazer nada além de esperar? Com certeza não é esta a melhor solução. Nossa vida é valiosa demais para não fazermos o melhor proveito possível dela. E é por isso que não dá para contar com a felicidade apenas na chegada. O caminho também precisa valer a pena.

9 sinais de que você está no caminho certo

Saber o que você quer é importante, mas lembre-se que vontades podem mudar. É claro que isso não é motivo para não correr atrás dos seus sonhos atuais, mas é importante observar se o sonhar, o batalhar e o buscar que acontecem no dia de hoje também estão te fazendo feliz.

Geralmente questionamos se estamos no caminho certo ou não apenas quando tomamos uma grande decisão, mas é uma pergunta que vale a pena se fazer sempre porque, mesmo que não tenha passado por um grande processo de decisão ou mudança, você está vivendo e seguindo por algum caminho. É esta a vida que te faz feliz? Será que há outro caminho que poderia ser muito melhor?

Se está ou não no caminho certo, só você pode saber, até porque “certo” é um conceito totalmente individual. Mas alguns sinais podem te ajudar a perceber se o que você está fazendo da sua vida está te ajudando a ser feliz. Veja se consegue se identificar com as nove situações abaixo, elas indicam que coisas boas estão acontecendo em sua vida e que você está fazendo boas escolhas:

1) Você olha para o passado sempre com alegria, mas não escolheria voltar

Você olha para o seu passado e sente gratidão por ele ter te levado até onde está agora. Sente saudade, mas não sofre por isso. Se pudesse escolher entre seu presente e ele, escolheria continuar no agora, apesar de toda a segurança que o passado já conhecido te oferece. Você não quer o que passou, você quer o seu agora porque sabe que está em um caminho cheio de coisas boas e que encontrará muitas outras lá na frente.

2) Você já sentiu vontade de desistir, mas algo mais forte te fez continuar

Há algo dentro de você que te diz que vale a pena continuar. Talvez você nem saiba explicar o que é, só o que sabe é que não pode nem quer parar. Às vezes sente vontade de desistir, mas sempre acaba continuando, buscando mais. Isso porque você já ama a vida que tem e tudo o que quer é aproveitar cada vez mais dela. Você ama seu caminho e, por mais difícil que ele seja em alguns momentos, quer continuar nele porque de alguma forma ele te faz feliz. Bom sinal maior do que esse não há.

3) É você quem está tomando suas decisões

Se o poder sobre a sua vida estiver nas mãos de outra pessoa, você não tem sequer a chance de descobrir se está ou não no caminho certo. Porque, neste caso, quem está decidindo o seu certo não é você! E isso já é o primeiro indício de que está tudo errado. Antes de se preocupar se está fazendo a coisa certa, veja quem está te colocando onde você está. É você mesmo? Ou alguém te falou que isso era o melhor? Quanta influência alheia te encaminhou para onde está? Quando alguém discorda das suas escolhas isso deixa você muito balançado e confuso? Repito: se outra pessoa está tomando suas decisões por você, sem dúvida o seu caminho está errado. Ele já começou errado. Volte para o início e declare-se o líder da caminhada. Comece de novo, agora da maneira certa.

9 sinais de que você está no caminho certo

4) Suas atitudes estão de acordo com seus valores e com quem você é

Porque é com isso que você se preocupa, e não com o que esperam de você. Quando faz escolhas, você pensa se a direção que vai tomar condiz com seu jeito, o que gosta e não gosta de fazer, seus sentimentos, suas vontades e o que te faz bem. Ser fiel a si mesmo é a atitude mais importante que você precisa adquirir para seguir no caminho certo. Se é você quem está no caminho, ele tem que ser escolhido especialmente para você (e por você!).

5) Você acredita

Mesmo que às vezes sinta medo de fazer algumas escolhas, mesmo que o caminho seja incerto, mesmo sem garantia de nada, você acredita que pode e vai conseguir o que quer e que tudo dará certo. Você tira força da sua fé, e pode até perder as forças de vez em quando, mas a sua fé nunca diminui.

6) Você está se divertindo

A vida não precisa (nem deve) ser levada muito a sério! Isso não quer dizer que você não deve ter comprometimento e responsabilidade, mas excesso de seriedade, preocupações e neuroses não faz bem a ninguém. Saber relaxar e se divertir é muito importante, porque é nos momentos alegres que ficamos mais leves, livres e felizes. Se seu caminho inclui risadas, diversão e momentos legais, você está no rumo certo, está fazendo valer a pena! Se ainda não, é hora de aprender a relaxar e dedicar mais tempo a descobrir e praticar coisas que deixam seus pensamentos bem longe da seriedade.

7) Você está aproveitando o presente

Você acredita no futuro e sente uma saudade boa do passado, mas sabe viver o presente na maior parte do tempo e faz questão de aproveitar o dia de hoje. Coisas boas acontecem todos os dias para todo mundo. A diferença entre quem está no caminho certo e quem não está é que os primeiros percebem a alegria até nas menores coisas e fazem questão de apreciá-las. Quem está na direção errada fica sem tempo de sentir a alegria dos bons momentos porque estão muito ocupados batalhando contra si próprios e contra a vida.

9 sinais de que você está no caminho certo

8) Você não está traindo a si mesmo

Trair a si mesmo é viver fazendo aquilo que não traz nenhuma felicidade, é fingir ser algo que não é, mentir para si mesmo afirmando que está bem quando não está… Trair-se é o mesmo que enganar-se e essa é a pior coisa que você faz por você mesmo. Você só consegue ser feliz quando é verdadeiro com você, por mais que doa. Sem a verdade você nunca saberá se o seu caminho é o certo ou se não passa de um engano. E acredite: o sentimento de dúvida é muito mais pesado do que qualquer verdade dura que tenha que assumir para si mesmo.

9) Você tem energia

Tudo bem estar cansado de vez em quando, acontece com todo mundo. Mas quando sua energia é totalmente drenada e se passam dias, semanas e até meses sem recuperá-la, é um grande sinal de que há algo errado no caminho que você está seguindo. Todos temos altos e baixos de animação e cansaço, empolgação e desânimo, bom humor e mau humor, mas quando há apenas emoções negativas por muito tempo, é hora de repensar o que você está fazendo com a sua vida.

Fotos: 123

Postado por Stephanie Gomes

22.01.15 • Em Autoconhecimento, Filmes

O filme Livre (Wild), baseado no livro que conta a história real vivida pela autora Cheryl Strayed, estreou quinta-feira passada nos cinemas do Brasil. Eu li o livro ano passado e estava tão ansiosa pelo filme que saí sábado de manhã e fui até um shopping no centro da cidade (porque não tinha sessão em nenhum cinema perto) pra pegar a primeira sessão do dia e assistir.

Livre é um filme sobre autoconhecimento. Mas não o tipo de autoconhecimento tranquilo e fácil que imaginamos quando falamos no assunto. É o autoconhecimento que passa também pela dor, pelas dúvidas, pelo arrependimento, pela vontade de desistir, pela tristeza, pela solidão e pela insegurança. Por isso o filme é tão real e foi tão fácil para mim me identificar com ele.

Filme: Livre (Wild)

Depois de passar por um divórcio doloroso, a perda da mãe a quem era extremamente ligada e o envolvimento com drogas pesadas que a fizeram chegar ao sofrimento extremo, Cheryl Strayed decide largar tudo e percorrer sozinha a Pacif Crest Trail, uma trilha de 1.700 quilômetros que vai dos Estados Unidos ao Canadá, em busca de si mesma.

Logo no início, Cheryl precisa enfrentar seu primeiro desafio: decidir entre seguir em frente com coragem ou voltar para onde estava. Entre sofrer na busca de um recomeço ou continuar sofrendo sem nenhuma perspectiva de mudança. Já na trilha, ela enfrenta inúmeras outras dificuldades: medo, fome, dor física, despreparo, animais selvagens, pessoas com más intenções e caminhos com obstáculos. Mas fica claro no filme que nada disso se compara à dor da tristeza causada pelo principal motivo de seu sofrimento: o passado, as lembranças, os erros cometidos e as consequências de carregar tudo isso. Sua maior dor ali naquela trilha era a interna, não a externa.

O filme começa com Cheryl já na trilha e vai aos poucos mostrando as cenas de seu passado que passam pelo pensamento dela durante a caminhada. Do início ao final a história vai se construindo de forma bem interessante, envolvendo quem assiste com os sentimentos e reações dela em relação a cada lembrança. Não é um filme tão dramático, de fazer o cinema todo sair chorando, mas é forte e intenso, ao mesmo tempo em que é delicado e muito reflexivo. Por eu também ter perdido minha mãe muito cedo, foi impossível não me emocionar com as cenas de Cheryl com a mãe e ver como a saudade e a falta mexiam com ela e como esses sentimentos influenciavam suas atitudes (tanto as certas como as erradas). Mas mesmo sem identificação com a história, Livre vai despertar diversas reflexões em quem assistir. Reflexões muito pessoais, é claro, mas todos nós estamos vivendo, sentindo, buscando e nos conhecendo, e o filme é justamente sobre isso.

Filme: Livre (Wild)

Apesar do aperto no peito que o filme me causou, saí do cinema com a sensação de que minha mente tinha sido “refrescada” de alguma forma, e que algumas dores, pensamentos negativos e dúvidas minhas tinham esfriado. Percebi que o filme tinha me feito entender que tudo bem às vezes eu me sentir perdida. Tudo bem eu ter algumas feridas profundas dentro de mim que provavelmente nunca vão cicatrizar. Tudo bem eu não saber exatamente o que vou fazer lá na frente. Nada disso me impede de ser feliz. Eu só preciso confiar e me permitir sentir o que quer que eu esteja sentindo, sem fugir. Não desviar o tempo todo da dor, mas ir pra cima dela, mesmo chorando, com medo e sem saber exatamente o que ela é.

Livre me fez sentir vontade de também entrar em uma jornada dura de autoconhecimento e levar algumas porradas da vida para sentir na pele e nunca mais esquecer o quanto eu sou forte, o quanto sou capaz de ser uma pessoa boa apesar dos meus erros e que sou eu a responsável pelo rumo que minha vida toma. Porque confesso que às vezes eu esqueço de tudo isso.

Filme: Livre (Wild)

As três lições mais importantes que tirei do filme:

  • A gente realmente não precisa aceitar situações e pessoas que nos fazem infelizes, mas temos que compreender que dentro da felicidade pode sim haver um pouco de tristeza. E isso não quer dizer que fracassamos ou estamos condenados a uma vida de infelicidade.
  • Sofremos quando nos sentimos perdidos porque acreditamos que todas as outras pessoas têm total certeza sobre o que estão fazendo, que somos os únicos no mundo a nos sentir assim e que isso quer dizer que há algo totalmente errado e irreparável em nós – e pra piorar não conseguimos descobrir o que é. A verdade é: estamos todos, de alguma forma, perdidos. Ninguém tem certeza de nada e tudo pode mudar em um segundo. Não vale a pena se preocupar tanto com isso, afinal, “é caminhando que se faz o caminho”.
  • Nossas escolhas se resumem sempre a duas opções: ou você segue em frente e enfrenta o que vier ou você fica onde está e se conforma.

Fotos: 123

Postado por Stephanie Gomes

19.01.15 • Em Atividades

Quem não gosta de descobrir uma atividade nova que proporciona prazer e diversão? Ter um hobby é muito importante para a nossa felicidade. Além de entreter e nos tirar do piloto automático das obrigações, nossos passatempos também servem para aprendermos novas habilidades, conhecermos coisas e pessoas novas e até melhorarmos a saúde.

Provavelmente você já tem alguns hobbies e os pratica no dia a dia. Mas que tal descobrir um novo? Não para substituir os antigos, mas para viver experiências novas, aprender coisas diferentes e ter mais opções quando quiser se divertir. O legal de descobrir um novo hobbie é começar a praticá-lo e perceber a evolução acontecendo e a abertura que você dá a novos interesses.

50 hobbies diferentes para experimentar e escolher o seu

Escolhi 50 opções de hobbies diferentes para dar ideias, mas a verdade é que quase tudo o que você faz pode se tornar um hobby se você gostar de fazer. Alguns itens da lista são mais comuns, outros nem tanto. Sem preconceitos, leia as opções e escolha algo para experimentar, ou pense em outras que te agradem. O importante é descobrir o que te faz feliz, e a gente só descobre aquilo que gosta de fazer fazendo, então experimente! Escolhi só coisas simples que podem ser incluídas no dia a dia ou que, pelo menos, dão para fazer no fim de semana:

1) Andar de patins
2) Andar de bicicleta
3) Andar de skate
4) Costurar – você gosta de moda? Já pensou que poderia aprender a fazer suas próprias roupas?
5) Cozinhar – é muito divertido e dá pra se aprimorar e ficar cada vez melhor! Você também pode escolher algo específico para se especializar (bolos, cupcakes, risotos, tortas etc)
6) Yoga
7) Meditação

meditacao
8) Jardinagem
9) Escrever um blog – do assunto que te interessar: críticas de filmes e livros, moda, viagens, culinária…
10) Fazer vídeos – para publicar no Youtube ou só por diversão mesmo
11) Correr (ou caminhar)
12) Dança – de salão, do ventre, jazz, ballet, zumba… ou só dançar o que der vontade!
13) Praticar um esporte – futebol, basquete, vôlei, handball, natação, tênis…
14) Passear – dá pra curtir ir a lugares próximos da sua casa. Um café, um parque, um restaurante, uma praça…
15) Fotografar

50 hobbies diferentes para experimentar e escolher o seu

16) Ir ao cinema – não é tão caro e dá pra ir toda semana
17) Ir ao teatro
18) Decoração
19) Planejar festas, viagens, passeios…
20) Ler – que tal participar de um clube de leitura?
21) Degustação – de chás, cervejas, vinhos…
22) Fazer hidroginástica
23) Birdwatching (observar pássaros)

50 hobbies diferentes para experimentar e escolher o seu

24) Fazer artesanato – velas, vasos, ímãs, sabonetes…
25) Ler histórias em quadrinhos
26) Empinar pipa
27) Fazer DIY’s (do it yourself - faça você mesmo) – não faltam ideias de coisas que você pode fazer com as próprias mãos na internet
28) Assistir séries ou filmes
29) Fazer aulas de circo
30) Customizar roupas, acessórios, objetos, bijouterias…
31) Assistir ao pôr ou nascer do sol – tem coisa mais linda? E dá pra fazer todo dia!

50 hobbies diferentes para experimentar e escolher o seu

32) Pintar ou desenhar
33) Jogos – videogame, cartas, jogos de tabuleiro, pôquer… todos fazem bem para o raciocínio
34) Acompanhar sua banda favorita ou artista que é fã
35) Escrever um diário
36) Cuidar de animais – você pode se voluntariar em uma instituição
37) Lutas ou artes marciais
38) Estudar – pode sim ser um hobby! Para quem é apaixonado por línguas, culturas, história, psicologia, astronomia… as opções são infinitas!

50 hobbies diferentes para experimentar e escolher o seu

39) Tocar um instrumento – violão, guitarra, bateria, flauta, gaita, piano… opções não faltam
40) Montar quebra-cabeças
41) Cantar
42) Descobrir novas músicas e bandas
43) Praticar um esporte radical
44) Pescar
45) Fazer trabalho voluntário
46) Explorar novos lugares

50 hobbies diferentes para experimentar e escolher o seu
47) Participar de um grupo de teatro
48) Ter uma coleção
49) Bartending (preparar drinks)
50) Pole dancing

Quais hobbies você já tem? E quais gostaria de experimentar? Você tem um hobby diferente? Conte nos comentários!

Fotos: 1234567

Postado por Stephanie Gomes

15.01.15 • Em Autoconhecimento, Reflexão

Em que você costuma pensar quando está na fila do ônibus, na sala de espera, no elevador, dirigindo, antes de dormir, arrumando a cama ou fazendo suas atividades cotidianas? É bem provável que você não fique pensando sobre o ônibus, o elevador, o travesseiro, a cama ou exatamente no que você está fazendo naquele momento. Primeiro porque estas atividades não precisam de atenção total, segundo porque não há nada de interessante em pensar sobre elas e terceiro porque é comum que nestas situações nosso pensamento vá para bem longe.

Hábitos mentais: quais são os seus?

É justamente nestes pensamentos distantes que está a chave que abre uma porta importantíssima para o seu autoconhecimento, porque é onde se encontra um dos hábitos que mais afetam sua vida, sua felicidade e seu bem-estar: os hábitos mentais. O que sua mente diz importa muito, porque seus pensamentos afetam profundamente o que você sente. E o que você sente determina como age. E a forma como age define a construção da sua vida.

São seus hábitos mentais cotidianos, mais do que suas inspirações momentâneas ou ideias brilhantes, que controlam sua vida. – Paramahansa Yogananda

Como seu pensamento se movimenta na maior parte do tempo? Como costuma ser o seu diálogo interno no dia a dia? Não estou falando daqueles pensamentos que decide ter, como quando pensa nas coisas pelas quais é grato ou repete mantras e afirmações para si mesmo. Nem no que você pensa quando precisa se dedicar a uma atividade no trabalho que exige atenção e foco, ou quando precisa encontrar a solução de um problema. O que você tem que saber é para que lado a sua mente pende quando você está desatento ao que pensa. Pensamentos que te fazem bem ou mal? Positivos ou negativos? Como eles te afetam?

Veja com quais hábitos você mais se identifica e quais são mais frequentes em sua mente:

Maus hábitos mentais:

  • imaginar brigas e discussões – que nunca aconteceram, mas você as inventa
  • imaginar situações ruins acontecendo com você ou com as pessoas que ama
  • remoer o passado
  • pensar no medo de algo dar errado com seus planos
  • vozes gritando e agitação na mente
  • julgar as pessoas mentalmente
  • criar ideias negativas e distorcidas sobre si – “nunca poderei ter isso”, “estão me olhando porque sou_________”

Sensações de insegurança, ansiedade, angústia e descontentamento em relação à própria vida são estimuladas por estes pensamentos.

Hábitos mentais: quais são os seus?

Bons hábitos mentais:

  • visualizar aquilo que você deseja acontecendo (ou “sonhar acordado”) – sentindo a felicidade de ter fé, mas sem despertar ansiedade
  • colocar sua consciência no presente
  • ser otimista – no sentido de confiar na vida e não ter pensamentos de medo e preocupação desnecessários
  • manter a mente leve, sem insistir em pensamentos inúteis e destrutivos
  • focar naquilo que está fazendo, não deixar a mente “vagar” por aí
  • ter pensamentos esperançosos e positivos em relação ao futuro
  • pensar e transmitir aquilo que você tem de melhor
  • enxergar algo de bom no momento presente, aconteça o que estiver acontecendo

Pensamentos positivos e leves nos deixam mais calmos e confiantes, devolvendo a paz que a mania de pensar negativo tinha nos tirado e tornando o cotidiano mais agradável.

Hábitos mentais: quais são os seus?

Se você se identificou mais com a lista de bons hábitos, excelente! Já se você sabe que seus pensamentos estão muito mais de acordo com a outra lista, saiba que é possível mudar e que isso vai tornar a sua vida muito melhor.

Como melhorar meus hábitos mentais?

Sinceramente, não conheço forma melhor de fazer isso do que com auto-observação e prática. A maioria destes pensamentos que formam nossos maus hábitos mentais são bobagens que pensamos apenas porque estamos acostumados a pensar desta forma. Já fizemos tanto isso que tornou-se natural. Virou exatamente isso: um hábito. O que precisamos fazer é transformar os bons hábitos mentais em nossos novos hábitos, substituindo os maus. E isso se consegue praticando, insistindo e, aos poucos, aprendendo e se acostumando com a nova forma de pensar.

Quanto mais você insiste em pensamentos ruins, mais frequentemente eles surgem. O mesmo acontece quando você se dedica a manter a mente voltada para pensamentos que te fazem bem. É um caminho bastante simples para ajudar a melhorar a sua vida: observar-se, conhecer seus hábitos, identificar problemas e mudá-los para melhor. Se você está em um processo de mudanças e evolução (e quem não está?) é válido percorrer este roteiro e investir nesta transformação.

Mude sua sintonia. Procure o lado bom das coisas. Silencie sua mente. Diminua o ritmo do seu pensamento e pense mais devagar. Olhe para as coisas boas, acredite no bem. Tenha fé na vida, não se preocupe tanto. E use sua imaginação para te fazer feliz.

Importante: quero que fique claro que não estou falando de ignorar sentimentos. Hábitos mentais são a forma como nossa mente se movimenta continuamente, no dia a dia, quando estamos distraídos, nada de realmente importante está acontecendo e nosso pensamento pende para o positivo ou negativo. Não se trata daqueles momentos em que um sentimento forte é acionado em nós por algum acontecimento externo ou problema interno, e sim daquele lugar para onde nossos pensamentos vão em meio a situações comuns e para onde estamos acostumados a levá-los por puro hábito.

Postado por Stephanie Gomes

12.01.15 • Em Comportamento

Medo. Uma palavrinha tão pequena, capaz de causar grandes estragos na nossa vida, muitas vezes silenciosos, porém altamente destrutivos. Um sentimento indesejado mas com o qual nos apegamos facilmente e de tal forma que chega um momento em que não sabemos mais viver sem ele. Mas quem não queria ter toda a coragem do mundo para fazer aquilo que tem vontade? Quem não tem um desejo guardado que ainda não foi transformado em realidade porque o medo estacionou bem na frente do seu próximo passo?

primeira foto

O medo não é visível ou palpável. Ele mora em nossa mente, assim como nossas emoções, sensações, sentimentos e pensamentos, e é influenciado por eles. Quando estamos animados, o medo diminui. Quando nos sentimos solitários, ele cresce. Quando pensamos positivo, ele perde espaço para a fé. Quando pensamos negativo, ele está vencendo a batalha.

É por isso que os pensamentos que alimentamos e os aprendizados e conhecimentos que conservamos exercem grande influência sobre nós. É através deles que determinamos de que forma enxergamos a vida. Se tivermos pensamentos positivos, as sensações negativas – como o medo – perdem a intensidade. E se nosso entendimento sobre o que é o medo, como ele age na nossa vida e que atitudes o enfraquecem for bem direcionado, conseguimos controlá-lo sem dificuldade.

Os seis pensamentos abaixo são alguns aprendizados você precisa absorver e carregar com você, para ter mais consciência sobre o medo e lidar melhor com ele. Leia com atenção, entenda e procure refletir sobre eles e considerá-los sempre que precisar enfrentar o medo:

Tudo é difícil antes de se tornar fácil e tudo é desconhecido antes de se tornar conhecido

Você não nasceu sabendo andar, ler, falar, nadar, trabalhar, dirigir… Cada uma destas coisas teve início no nada. Você não tinha ideia do que fazer no primeiro dia de trabalho. Deu medo, mas você foi. As primeiras vezes que dirigiu em uma avenida as pernas tremeram, e hoje você faz tudo com facilidade. Não foi nada fácil aprender a ler, mas olha você aí lendo! Tudo o que você já conhece um dia foi desconhecido e tudo o que você sabe hoje teve que passar por um processo de aprendizado começado do zero. Você nem se lembra mais disso, mas foi assim! E todas estas coisas são importantes para a sua vida, assim como tudo o que você criar coragem para aprender daqui para a frente será importante no futuro! Medo de começar ou de mergulhar em algo novo é uma grande bobagem. Funciona assim para todo mundo, portanto, vá e faça de uma vez! Cedo ou tarde o difícil vira fácil, o desconhecido vira conhecido e o que você não conseguia fazer uma hora vai conseguir. Começos fazem parte da vida, não deixe de começar por medo.

desconhecido

Não vá para o caminho que o medo faz você ir

Se você está seguindo determinado caminho porque o seu medo te colocou lá, pare. Pense bem. É o medo o sentimento que você quer que guie sua vida? Ou é a alegria, o amor, a vontade, a curiosidade, a beleza e outras coisas boas? Se o que te faz estar onde está é o medo, repense sua vida. Se você tem uma escolha a fazer ou uma decisão a tomar, pergunte antes se está se inclinando para a voz do medo ou para o chamado da sua felicidade.

O medo é SEMPRE uma invenção da mente

Quando algo de ruim realmente acontece, o que nós sentimos não é medo. É tristeza, desespero, decepção, dor… sentimentos reais ligados ao que está acontecendo no presente. Já o medo está relacionado a algo que não aconteceu e pode muito bem não acontecer. Ele é só a imaginação usando a nossa mente para nos fazer mal. Quantas vezes você já não sofreu por coisas que nunca aconteceram? E depois a gente acaba achando graça por ter sofrido à toa, mas isso não faz nada bem para a saúde e ainda atrapalha nossa vida durante horas, dias, até semanas. É por isso que tanto se fala sobre a importância de viver no presente. Sofrer pelo medo é um enorme desperdício de tempo.

Vá com medo, vá sem medo, mas vá!

Essa é uma frase que eu sempre procuro pensar quando fico paralisada diante do medo, já se tornou um mantra pra mim. Fecho os olhos, penso nela, respiro fundo e vou! Porque muitas vezes um segundo de coragem é tudo o que a gente precisa e o efeito deste pensamento é instantaneamente encorajador. Se o medo não quiser largar do seu pé, arraste ele junto. Só não pare!

com ou sem2

O arrependimento pelo que você não fez é muito pior do que o pelo que você fez 

Porque se você fez, ao menos viveu, e por mais chata que tenha sido a experiência, você sempre leva algum aprendizado com você. Não há dúvidas de que a gente aprende muito mais experimentando do que ouvindo falar. Sem contar que em meio a experiências ruins haverá muitas boas! Se você não se arriscar e tentar, não terá nenhuma das duas. E é muito melhor viver coisas incríveis em meio a um ou outro tropeço do que não viver nada.

Fotos: 123

Postado por Stephanie Gomes