Oh, a world of wishes (Oh, um mundo de desejos)
A world where dreams come true (Um mundo onde sonhos se tornam realidade)
So make a wish, see it through (Então, faça um desejo, veja através dele)
Dare to do what dreamers do“ (Atreva-se a fazer o que fazem os sonhadores)

Como expliquei lá na fanpage, fiquei ausente do blog nas últimas semanas porque estava me preparando para a realização de um grande sonho: viajar para a Disney! Voltei terça-feira passada trazendo comigo muitos sentimentos bons, momentos inesquecíveis, memórias lindas e a certeza ainda maior de que posso e devo acreditar nos meus sonhos. Se algum dia eu tive, hoje não tenho mais nenhuma dúvida de que sonhos se realizam. Seja lá qual sonho for. Seja lá quem você for.

IMG_20150305_102038

Minha infância inteira foi acompanhada por filmes, livros, músicas e tudo o que existisse relacionado à Disney. Sonhei em conhecer a Disney World desde que descobri que esse lugar existia. Não pude ir quando criança, mas não lembro de nenhuma vez em que me senti triste por isso. O que eu lembro é de sempre falar e imaginar o dia em que eu estaria lá. Não tinha ideia de quando, nem exatamente como, mas sabia que um dia aconteceria.

E aconteceu. Aconteceu mesmo. Eu estive lá. Eu vi o castelo da Cinderela, abracei o Mickey, chorei assistindo ao show de fogos. Eu tomei café da manhã com o Ursinho Pooh, nadei com golfinhos, alimentei uma girafa, tirei foto com o Pato Donald, vi a Bela e a Fera (meus favoritos) de pertinho. Eu vi o castelo do Harry Potter, comi uma rosquinha rosa gigante, abracei Minions, vi pinguins e cangurus e andei de montanha russa. Eu vi com meus olhos todas as coisas que durante 23 anos viveram na minha imaginação. Eu vivi todas as coisas que sonhei por anos e anos.

IMG_20150314_162654

Há quem diga que eu demorei anos para juntar dinheiro, me organizar, marcar férias e planejar tudo isso para viver apenas 15 dias de sonho e depois tudo voltar ao normal. Eu digo: “apenas?”, “normal?”. Foram “apenas” os dias mais lindos da minha vida e hoje tenho comigo as lembranças mais felizes que já imaginei ter. As emoções que senti continuam aqui dentro de mim me fazendo feliz nos meus dias “normais”. O que aprendi sobre mim, sobre a vida e sobre sonhar vou levar comigo até o último dia da minha vida.

Queria conseguir transmitir aqui toda a certeza que trouxe comigo de que realmente TUDO é possível, seja lá qual for o seu sonho. Pode levar (bastante) tempo, pode ter obstáculos no caminho, pode parecer que não vai dar certo, pode ser que ninguém mais acredite além de você. É possível. Acreditem: não foi rápido nem fácil para mim.

Talvez possa não parecer um sonho tão grande ou a coisa mais incrível do mundo para todos com quem compartilho essa minha experiência. Para mim, foi a minha maior realização até hoje e me emociona falar sobre isso porque eu sei o espaço que esse sonho ocupou dentro de mim durante muito tempo e o tamanho da alegria que a realização dele me trouxe. Eu sei o quanto precisei esperar, trabalhar, adiar, acreditar e batalhar para que isso acontecesse. E só eu sei o tamanho da emoção que senti estando lá.

IMG_20150313_221211

É assim que os sonhos funcionam: primeiro, precisam que a gente os deixe ocupar um espaço verdadeiramente especial dentro de nós. Quando permitimos isso, eles nos dão em troca a fé e a força que precisamos para correr atrás da realização. Então nos exigem esforço, paciência, dedicação e amor. É graças a eles que nós aprendemos a construir estas virtudes dentro de nós. Não é fácil mantê-las, mas é no momento em que você tem que decidir entre desistir delas ou usar todas as suas forças para insistir que seu sonho começa a se tornar realidade.

Acreditar em um sonho ensina não só a buscar realizações, mas também  a amar cada passo do caminho, a ter foco, a confiarmos em nós mesmos, a insistir, a levantar após cada tropeço… Tudo isso para, finalmente, descobrir que, sim, tudo é possível. Que sonhar é a melhor escolha que podemos fazer. E que vale a pena lutar.

Não importa se você acha que é uma pessoa comum e simples. Todos nós somos tão simples e comuns como também somos gênios especialmente extraordinários. Esqueça estas definições. Para Walt Disney tudo começou com um rato. Só isso: um rato! Se você ainda não começou, escolha uma forma de dar o primeiro passo – qualquer uma – e dê.

Acredite nos seus sonhos porque existem muitas coisas boas esperando que você as busque. Acredite nos seus sonhos porque a magia existe ao seu redor e dentro de você. Sonhe porque é SIM possível. Sonhe porque sonhos se realizam. Todos os dias.

“Se você pode sonhar, você pode fazer.” – Walt Disney

Postado por Stephanie Gomes

20.02.15 • Em Bem-estar, Comportamento

Cuidado com seus pensamentos, eles se transformam em suas palavras. Cuidado com suas palavras, elas se transformam em suas ações. Cuidado com suas ações, elas se transformam em seus hábitos. Cuidado com seus hábitos, eles moldam o seu caráter. Cuidado com seu caráter, ele controla o seu destino.

Hábitos bons trazem consequências boas e hábitos ruins trazem consequências ruins. Isso todo mundo sabe. Comer bem proporciona saúde e fumar acaba com seu pulmão. Exercícios físicos trazem vitalidade e sedentarismo acaba com suas energias aos poucos. Ser pontual causa boa impressão e estar sempre atrasado pode te custar seu emprego (e outras coisas).

Estes são alguns exemplos de hábitos comuns que muita gente vive tentando mudar. Mas há muitas outras coisas não tão óbvias que também fazem parte das ações diárias de muita gente, mas que poucos observam e percebem que deveriam mudar para terem mais bem-estar no dia a dia. Escolhi alguns dos que mais observo (em mim e nos outros) para criar uma lista de hábitos que vale a pena analisar. Veja se você se identifica:

1) Viver no piloto automático

Sabe quando você já está na rua e tem que voltar porque não lembra se trancou a porta? É um ótimo exemplo de situação em que você agiu no piloto automático, sem perceber o que estava fazendo. Por estar tão acostumado a fazer não presta mais atenção. É claro que tudo bem algumas tarefas serem feitas assim, mas fazer disso um hábito não é bom. Viver no piloto automático te faz perder as pequenas coisas boas que passam por você todos os dias. Você mal percebe as coisas bonitas que passam pela sua visão, não escuta sons agradáveis, não sente gratidão por ter recebido um elogio, não aprecia o sabor da comida… Aí quando alguém te diz que coisas boas acontecem para todo mundo todos os dias você não acredita! Sinal de que está vivendo no piloto automático. Que tal aguçar os sentidos e prestar mais atenção a você mesmo e ao que há à sua volta?

8 hábitos que estão acabando com o seu bem estar

2) Dormir com pensamentos negativos

Muita gente tem o costume de usar os minutinhos antes de pegar no sono para refletir. Isso pode ser bom, se você conseguir usar este momento para pensar em coisas úteis ou que façam você se sentir bem (como agradecer, rezar, pensar no que aconteceu de bom em seu dia…). Mas também pode ser péssimo, se você costuma levar para o travesseiro pensamentos negativos, como o que aconteceu de ruim no dia, a mágoa que tal pessoa deixou em você, seus problemas e questões mal resolvidas etc. O resultado desse hábito é péssimo: você dorme mal (ou não dorme), fica tenso e não relaxa – consequentemente não descansa – e acorda de mau humor no dia seguinte. Os pensamentos e emoções que você leva para a cama precisam ser melhor escolhidos, porque eles criam a energia que vai te acompanhar nas horas em que estiver dormindo, o que não é pouco tempo. Se você costuma ir dormir com pensamentos negativos, talvez isso esteja prejudicando muito o seu bem estar no dia a dia. Teste uma nova atitude nesse horário e veja se não melhora.

3) Pressa

A pressa é inimiga da paz interior. Ninguém consegue ter bem estar enquanto faz coisas desesperadamente, preocupado com o tempo, sob pressão. E muitas vezes não há necessidade de ser assim, você é apressado apenas por força do hábito. Já reparou nisso? A boa notícia é que esse é um hábito fácil de mudar. Comece agora mesmo a agir com mais tranquilidade. Termine de ler esse texto com atenção e sem pressa. Quando mudar de atividade, faça apenas uma coisa por vez. Esqueça o relógio. Se sua mesa ou o navegador do computador estiver muito bagunçado, organize-se. Faça tudo com calma, não corra. Se perceber que acelerou demais o ritmo, respire fundo e ajuste a sua velocidade. Vá se observando e mudando pequenas atitudes no dia a dia para viver longe do desespero e manter sempre o bem estar.

4) Pensar demais

Você está sempre com a cabeça lotada de pensamentos? O único momento em que para de pensar é quando dorme? Você faz uma tarefa já pensando no que tem que fazer depois? Não consegue manter o foco no presente por muito tempo? Se respondeu “sim” a alguma das perguntas, você está sofrendo de overthinking, expressão em inglês que quer dizer “pensar demais”. Viver com a cabeça a mil o tempo todo é um hábito que enlouquece qualquer um. Estar em um lugar de corpo e em outro em pensamento impede o sentimento de contentamento e a apreciação do presente, o que faz com que você perca várias sensações boas que poderiam estar sendo aproveitadas se você não estivesse preso dentro da loucura da sua mente. Pensar é muito bom, mas sobrecarregar o pensamento não faz bem a ninguém.

8 hábitos que estão acabando com o seu bem estar

5) Insistir em assuntos negativos desnecessários

Brigas de trânsito, discussões que não precisariam nem ter começado, implicância com coisas bobas, provocaçõezinhas, mania de viver contando histórias ruins… há tantas formas melhores de usarmos as palavras, mas insistimos no hábito de falar sobre coisas que não nos trazem nem transmitem bem algum. Pra mudar esse hábito, é preciso aprender também a viver de forma mais leve e positiva. Começar a relevar e deixar algumas coisas pra lá, resistir ao impulso de fazer certos comentários, falar mais sobre coisas boas e ser menos pessimista. Aos poucos essa mania de carregar e transmitir negatividade vai se diluindo.

6) Contrair partes do corpo

Faça agora mesmo: relaxe os olhos, a bochecha e a testa; destrave a mandíbula e solte os dentes; abra a garganta e relaxe as mãos. Percebeu que alguma(s) destas partes do seu corpo estava contraída? Se sentiu melhor quando a relaxou? Eu só fui perceber o quanto vivia com várias partes do corpo contraídas quando entrei na yoga e ouvi falar sobre relaxar cada parte do corpo. Acabei descobrindo que o hábito de contrair a mandíbula estava me causando dores de cabeça constantes. Por isso afirmo que é um hábito importante de ser observado. Se você perceber que tem esse costume, atente-se mais a isso e procure relaxar sempre que perceber, até perder essa péssima mania.

7) Reclamar, reclamar e reclamar mais um pouco

De acordar cedo, do trânsito, do chefe, das obrigações, das atitudes das outras pessoas, da chuva, do calor, do frio, do vento… Quem tem o hábito de reclamar reclama de tudo. E essa é uma mania que só muda se você quiser e se esforçar pra isso. Mas saiba que reclamar é uma atitude que não resolve nada e só te traz energias e sentimentos negativos. Se tudo te incomoda, será que o problema não está em você? Gosto muito de uma frase que diz “aceite o que não pode mudar e mude o que não pode aceitar”. É isso. Aprenda a aceitar ou faça algo para mudar.

8 hábitos que estão acabando com o seu bem estar

8) Ser neurótico com seus planejamentos

Às vezes as coisas não saem como planejamos, nossa rotina é alterada e os planos precisam ser adaptados. O que você precisa entender é que isso não é o fim do mundo! É ótimo ser organizado, mas nem sempre as coisas sairão como estão no seu roteiro, então é bom aprender a ser mais maleável com as mudanças inesperadas, ao invés de achar que porque algo precisou ser adaptado tudo dará errado. Se sair da rotina te deixa tenso, aconselho que aprenda a ser mais aberto e positivo em relação ao inesperado. Lembre-se que a vida traz surpresas boas quando menos esperamos.

Fotos: 123

Postado por Stephanie Gomes

29.01.15 • Em Autoconhecimento, Reflexão

Outro dia eu – não lembro por que – estava pensando sobre o quanto gosto de sentir nostalgia. Esse sentimento, pra mim, nada mais é do que uma saudade boa misturada com gratidão por ter vivido coisas que valeram a pena. Nostalgia é um sentimento que gosto de ter e que me deixa feliz. Isso acabou me gerando uma reflexão: quais são os meus sentimentos favoritos?

Pensei que eu gosto muito também de sentir empolgação, surpresa e liberdade. Sentir que estou progredindo também é algo que me deixa muito feliz. Mas o meu sentimento favorito acima de todos é um só: paz interior.

Quais são os seus sentimentos favoritos?

E você, quais são os seus sentimentos favoritos? Que emoções você mais gosta? Dedique algum tempo para pensar nisso e não se prenda a definições prontas ou de uma palavra só. Pense nas coisas que você adora sentir. A resposta para essa reflexão é muito pessoal e pode ser que você encontre até algumas respostas estranhas, mas não se prenda ao óbvio. Deixe-se ser sincero com você mesmo e livre para pensar o que quiser.

Saber quais são seus sentimentos favoritos é tão importante quanto saber o que você gosta de fazer e quais são seus sonhos e objetivos. Ter consciência sobre o que você mais gosta de sentir funciona como um guia para suas escolhas e ações. Além de ser mais uma peça que se encaixa no quebra-cabeça do seu autoconhecimento.

Quais são os seus sentimentos favoritos?

Pense nisso com calma. Quando já tiver uma listinha de seus favoritos, é hora de questionar: estou investindo nestes sentimentos? Que atividades, atitudes e pensamentos fazem com que eu os sinta? E quais me afastam deles? O que posso começar a fazer (ou fazer mais) para que essas emoções que adoro sejam mais frequentemente sentidas? Quais sentimentos eu gostaria de sentir com mais frequência e ando sentindo pouco?

A ideia final é te fazer levar o resultado dessa reflexão para o seu dia a dia. Pra escolher o que vai fazer no fim de semana, como você age com as pessoas, quais pensamentos você cultiva, o que faz nas horas livres, quem você quer ter ao seu lado, em que investe seu dinheiro… O que você pode fazer para que estes sentimentos estejam cada vez mais presentes?

Fotos: 12

Postado por Stephanie Gomes

26.01.15 • Em Reflexão

Dá pra ter certeza de que você está no caminho certo e vai chegar aonde deseja? Não, não dá. Nós mudamos, nossas vontades mudam, as pessoas mudam, o ambiente muda e nossa vida pode dar reviravoltas totalmente inesperadas. Sendo assim, o que fazer? Será melhor não lutar, não buscar, não tentar e não fazer nada além de esperar? Com certeza não é esta a melhor solução. Nossa vida é valiosa demais para não fazermos o melhor proveito possível dela. E é por isso que não dá para contar com a felicidade apenas na chegada. O caminho também precisa valer a pena.

9 sinais de que você está no caminho certo

Saber o que você quer é importante, mas lembre-se que vontades podem mudar. É claro que isso não é motivo para não correr atrás dos seus sonhos atuais, mas é importante observar se o sonhar, o batalhar e o buscar que acontecem no dia de hoje também estão te fazendo feliz.

Geralmente questionamos se estamos no caminho certo ou não apenas quando tomamos uma grande decisão, mas é uma pergunta que vale a pena se fazer sempre porque, mesmo que não tenha passado por um grande processo de decisão ou mudança, você está vivendo e seguindo por algum caminho. É esta a vida que te faz feliz? Será que há outro caminho que poderia ser muito melhor?

Se está ou não no caminho certo, só você pode saber, até porque “certo” é um conceito totalmente individual. Mas alguns sinais podem te ajudar a perceber se o que você está fazendo da sua vida está te ajudando a ser feliz. Veja se consegue se identificar com as nove situações abaixo, elas indicam que coisas boas estão acontecendo em sua vida e que você está fazendo boas escolhas:

1) Você olha para o passado sempre com alegria, mas não escolheria voltar

Você olha para o seu passado e sente gratidão por ele ter te levado até onde está agora. Sente saudade, mas não sofre por isso. Se pudesse escolher entre seu presente e ele, escolheria continuar no agora, apesar de toda a segurança que o passado já conhecido te oferece. Você não quer o que passou, você quer o seu agora porque sabe que está em um caminho cheio de coisas boas e que encontrará muitas outras lá na frente.

2) Você já sentiu vontade de desistir, mas algo mais forte te fez continuar

Há algo dentro de você que te diz que vale a pena continuar. Talvez você nem saiba explicar o que é, só o que sabe é que não pode nem quer parar. Às vezes sente vontade de desistir, mas sempre acaba continuando, buscando mais. Isso porque você já ama a vida que tem e tudo o que quer é aproveitar cada vez mais dela. Você ama seu caminho e, por mais difícil que ele seja em alguns momentos, quer continuar nele porque de alguma forma ele te faz feliz. Bom sinal maior do que esse não há.

3) É você quem está tomando suas decisões

Se o poder sobre a sua vida estiver nas mãos de outra pessoa, você não tem sequer a chance de descobrir se está ou não no caminho certo. Porque, neste caso, quem está decidindo o seu certo não é você! E isso já é o primeiro indício de que está tudo errado. Antes de se preocupar se está fazendo a coisa certa, veja quem está te colocando onde você está. É você mesmo? Ou alguém te falou que isso era o melhor? Quanta influência alheia te encaminhou para onde está? Quando alguém discorda das suas escolhas isso deixa você muito balançado e confuso? Repito: se outra pessoa está tomando suas decisões por você, sem dúvida o seu caminho está errado. Ele já começou errado. Volte para o início e declare-se o líder da caminhada. Comece de novo, agora da maneira certa.

9 sinais de que você está no caminho certo

4) Suas atitudes estão de acordo com seus valores e com quem você é

Porque é com isso que você se preocupa, e não com o que esperam de você. Quando faz escolhas, você pensa se a direção que vai tomar condiz com seu jeito, o que gosta e não gosta de fazer, seus sentimentos, suas vontades e o que te faz bem. Ser fiel a si mesmo é a atitude mais importante que você precisa adquirir para seguir no caminho certo. Se é você quem está no caminho, ele tem que ser escolhido especialmente para você (e por você!).

5) Você acredita

Mesmo que às vezes sinta medo de fazer algumas escolhas, mesmo que o caminho seja incerto, mesmo sem garantia de nada, você acredita que pode e vai conseguir o que quer e que tudo dará certo. Você tira força da sua fé, e pode até perder as forças de vez em quando, mas a sua fé nunca diminui.

6) Você está se divertindo

A vida não precisa (nem deve) ser levada muito a sério! Isso não quer dizer que você não deve ter comprometimento e responsabilidade, mas excesso de seriedade, preocupações e neuroses não faz bem a ninguém. Saber relaxar e se divertir é muito importante, porque é nos momentos alegres que ficamos mais leves, livres e felizes. Se seu caminho inclui risadas, diversão e momentos legais, você está no rumo certo, está fazendo valer a pena! Se ainda não, é hora de aprender a relaxar e dedicar mais tempo a descobrir e praticar coisas que deixam seus pensamentos bem longe da seriedade.

7) Você está aproveitando o presente

Você acredita no futuro e sente uma saudade boa do passado, mas sabe viver o presente na maior parte do tempo e faz questão de aproveitar o dia de hoje. Coisas boas acontecem todos os dias para todo mundo. A diferença entre quem está no caminho certo e quem não está é que os primeiros percebem a alegria até nas menores coisas e fazem questão de apreciá-las. Quem está na direção errada fica sem tempo de sentir a alegria dos bons momentos porque estão muito ocupados batalhando contra si próprios e contra a vida.

9 sinais de que você está no caminho certo

8) Você não está traindo a si mesmo

Trair a si mesmo é viver fazendo aquilo que não traz nenhuma felicidade, é fingir ser algo que não é, mentir para si mesmo afirmando que está bem quando não está… Trair-se é o mesmo que enganar-se e essa é a pior coisa que você faz por você mesmo. Você só consegue ser feliz quando é verdadeiro com você, por mais que doa. Sem a verdade você nunca saberá se o seu caminho é o certo ou se não passa de um engano. E acredite: o sentimento de dúvida é muito mais pesado do que qualquer verdade dura que tenha que assumir para si mesmo.

9) Você tem energia

Tudo bem estar cansado de vez em quando, acontece com todo mundo. Mas quando sua energia é totalmente drenada e se passam dias, semanas e até meses sem recuperá-la, é um grande sinal de que há algo errado no caminho que você está seguindo. Todos temos altos e baixos de animação e cansaço, empolgação e desânimo, bom humor e mau humor, mas quando há apenas emoções negativas por muito tempo, é hora de repensar o que você está fazendo com a sua vida.

Fotos: 123

Postado por Stephanie Gomes

22.01.15 • Em Autoconhecimento, Filmes

O filme Livre (Wild), baseado no livro que conta a história real vivida pela autora Cheryl Strayed, estreou quinta-feira passada nos cinemas do Brasil. Eu li o livro ano passado e estava tão ansiosa pelo filme que saí sábado de manhã e fui até um shopping no centro da cidade (porque não tinha sessão em nenhum cinema perto) pra pegar a primeira sessão do dia e assistir.

Livre é um filme sobre autoconhecimento. Mas não o tipo de autoconhecimento tranquilo e fácil que imaginamos quando falamos no assunto. É o autoconhecimento que passa também pela dor, pelas dúvidas, pelo arrependimento, pela vontade de desistir, pela tristeza, pela solidão e pela insegurança. Por isso o filme é tão real e foi tão fácil para mim me identificar com ele.

Filme: Livre (Wild)

Depois de passar por um divórcio doloroso, a perda da mãe a quem era extremamente ligada e o envolvimento com drogas pesadas que a fizeram chegar ao sofrimento extremo, Cheryl Strayed decide largar tudo e percorrer sozinha a Pacif Crest Trail, uma trilha de 1.700 quilômetros que vai dos Estados Unidos ao Canadá, em busca de si mesma.

Logo no início, Cheryl precisa enfrentar seu primeiro desafio: decidir entre seguir em frente com coragem ou voltar para onde estava. Entre sofrer na busca de um recomeço ou continuar sofrendo sem nenhuma perspectiva de mudança. Já na trilha, ela enfrenta inúmeras outras dificuldades: medo, fome, dor física, despreparo, animais selvagens, pessoas com más intenções e caminhos com obstáculos. Mas fica claro no filme que nada disso se compara à dor da tristeza causada pelo principal motivo de seu sofrimento: o passado, as lembranças, os erros cometidos e as consequências de carregar tudo isso. Sua maior dor ali naquela trilha era a interna, não a externa.

O filme começa com Cheryl já na trilha e vai aos poucos mostrando as cenas de seu passado que passam pelo pensamento dela durante a caminhada. Do início ao final a história vai se construindo de forma bem interessante, envolvendo quem assiste com os sentimentos e reações dela em relação a cada lembrança. Não é um filme tão dramático, de fazer o cinema todo sair chorando, mas é forte e intenso, ao mesmo tempo em que é delicado e muito reflexivo. Por eu também ter perdido minha mãe muito cedo, foi impossível não me emocionar com as cenas de Cheryl com a mãe e ver como a saudade e a falta mexiam com ela e como esses sentimentos influenciavam suas atitudes (tanto as certas como as erradas). Mas mesmo sem identificação com a história, Livre vai despertar diversas reflexões em quem assistir. Reflexões muito pessoais, é claro, mas todos nós estamos vivendo, sentindo, buscando e nos conhecendo, e o filme é justamente sobre isso.

Filme: Livre (Wild)

Apesar do aperto no peito que o filme me causou, saí do cinema com a sensação de que minha mente tinha sido “refrescada” de alguma forma, e que algumas dores, pensamentos negativos e dúvidas minhas tinham esfriado. Percebi que o filme tinha me feito entender que tudo bem às vezes eu me sentir perdida. Tudo bem eu ter algumas feridas profundas dentro de mim que provavelmente nunca vão cicatrizar. Tudo bem eu não saber exatamente o que vou fazer lá na frente. Nada disso me impede de ser feliz. Eu só preciso confiar e me permitir sentir o que quer que eu esteja sentindo, sem fugir. Não desviar o tempo todo da dor, mas ir pra cima dela, mesmo chorando, com medo e sem saber exatamente o que ela é.

Livre me fez sentir vontade de também entrar em uma jornada dura de autoconhecimento e levar algumas porradas da vida para sentir na pele e nunca mais esquecer o quanto eu sou forte, o quanto sou capaz de ser uma pessoa boa apesar dos meus erros e que sou eu a responsável pelo rumo que minha vida toma. Porque confesso que às vezes eu esqueço de tudo isso.

Filme: Livre (Wild)

As três lições mais importantes que tirei do filme:

  • A gente realmente não precisa aceitar situações e pessoas que nos fazem infelizes, mas temos que compreender que dentro da felicidade pode sim haver um pouco de tristeza. E isso não quer dizer que fracassamos ou estamos condenados a uma vida de infelicidade.
  • Sofremos quando nos sentimos perdidos porque acreditamos que todas as outras pessoas têm total certeza sobre o que estão fazendo, que somos os únicos no mundo a nos sentir assim e que isso quer dizer que há algo totalmente errado e irreparável em nós – e pra piorar não conseguimos descobrir o que é. A verdade é: estamos todos, de alguma forma, perdidos. Ninguém tem certeza de nada e tudo pode mudar em um segundo. Não vale a pena se preocupar tanto com isso, afinal, “é caminhando que se faz o caminho”.
  • Nossas escolhas se resumem sempre a duas opções: ou você segue em frente e enfrenta o que vier ou você fica onde está e se conforma.

Fotos: 123

Postado por Stephanie Gomes