Teste de Segurança da Web 101

Image for Web Security Testing 101

À medida que a tecnologia melhora, surgem novas maneiras de os criminosos explorá-la. Isso é especialmente verdadeiro para a internet, onde praticamente qualquer pessoa pode lançar um ataque de qualquer lugar do mundo. É por isso que a segurança na Web é especialmente crucial para as organizações hoje.

A segurança da Web é o processo de proteger seu site e seus usuários contra uma variedade de ameaças em potencial. Essas ameaças podem vir de muitas formas diferentes, incluindo vírus, malware, golpes de phishing e ataques de injeção de SQL. E no cenário de hoje, se você não tiver certeza de como combater esses perigos, estará em desvantagem significativa.

É aí que entram os testes de segurança na web.

O teste de segurança da Web é o processo de busca de qualquer vulnerabilidade conhecida que os invasores possam explorar para comprometer seu aplicativo da Web, o que, como resultado, garante que seu site seja seguro para as pessoas visitarem.

Por esse motivo, o teste de segurança da Web é um dos aspectos mais cruciais da segurança da Web hoje. (Leia também: Benefícios de realizar uma avaliação de vulnerabilidade.)

Então, vamos explorar por que o teste de segurança é importante, como ele é feito e os recursos essenciais para incorporá-lo à sua organização:

Por que o teste de segurança na Web é importante?

O teste de segurança do site é fundamental, pois ajuda a detectar e reparar falhas em seu site antes que os invasores possam explorá-las.

Também é importante testar seu site regularmente, mesmo se você achar que não há vulnerabilidades presentes. Isso ocorre porque novas ameaças estão surgindo constantemente; o que era considerado seguro ontem pode não ser seguro hoje. (Leia também: 6 avanços de segurança cibernética que devemos ao COVID-19.)

O teste também ajuda a garantir que seu site seja acessível aos visitantes quando eles precisarem. Isso é especialmente importante para sites de missão crítica, como os de bancos e outras instituições financeiras.

Por fim, os testes de segurança da Web podem ajudá-lo a acompanhar os padrões do setor, como o Padrão de segurança de dados do setor de cartões de pagamento (PCI DSS).

Como você conduz testes de segurança na Web?

Existem duas maneiras principais de realizar testes de segurança de aplicativos da Web:

  1. Testes manuais. Hackers de chapéu branco, geralmente conhecidos como hackers éticos, realizam testes manuais tentando invadir sistemas para encontrar vulnerabilidades para que possam ser corrigidas.
  2. Teste automatizado. Isso geralmente é feito usando scanners de segurança da Web, que são programas que automatizam o processo de avaliação de vulnerabilidades.

Os benefícios e riscos dos testes manuais e automatizados são únicos, como é o caso de qualquer outro tipo de software. O teste manual às vezes é mais completo; mas é demorado e caro. Testes automatizados costumam ser mais rápidos e acessíveis; mas pode perder algumas vulnerabilidades.

Como tal, empregar uma combinação de testes manuais e automatizados geralmente é o melhor método. Isso lhe dará a visão mais abrangente da postura de segurança do seu aplicativo da web. (Leia também: O Guia do Iniciante para Teste de Penetração NIST.)

Quais recursos podem ajudar nos testes de segurança?

Muitos consideram o Guia de Teste de Segurança da Web do Open Web Application Security Project (OWASP) o melhor recurso para testes de segurança da Web disponível hoje.

O OWASP Web Security Testing Guide cobre tudo, desde a configuração de um ambiente de teste até a identificação de vulnerabilidades; é fácil de usar e inclui instruções passo a passo sobre como testar cada tipo de vulnerabilidade. Em suma, é uma ferramenta crítica para qualquer pessoa encarregada de testes de segurança de aplicativos da web.

Além deste guia de testes, a OWASP—uma organização sem fins lucrativos que fornece recursos para segurança na Web—distribui o conhecido recurso OWASP Top Ten.

O OWASP Top Ten é uma lista, atualizada a cada poucos anos, do que o OWASP acredita serem as 10 preocupações mais críticas de segurança na web. A atualização mais recente, de 2017, inclui informações sobre novas ameaças, como cryptojacking e ataques IoT. (Leia também: Desafios de segurança da IoT: por que as empresas devem avaliá-los agora.)

OWASP também fornece uma variedade de outros recursos—incluindo os projetos de teste OWASP e codecs OWASP.

Quais são as principais ameaças de segurança da Web de hoje?

Então, agora que esclarecemos o que é segurança na web, vamos descobrir: O que exatamente tu precisa saber sobre isso?

Para responder a isso, vamos dar uma olhada em algumas das principais ameaças à segurança da Web das quais você precisa estar ciente.

1. Ataques de injeção de SQL

Os ataques de injeção de SQL envolvem um invasor tentando executar código SQL malicioso em seu banco de dados. Se for bem-sucedido, isso pode permitir que o invasor obtenha acesso a dados confidenciais, como informações de clientes ou registros financeiros.

Você pode evitar ataques de injeção de SQL ao usar consultas parametrizadas e validação de entrada. (Leia também: Os 7 Princípios Básicos de Segurança de TI.)

2. Ataques de script entre sites

O próximo em nossa lista são os ataques de script entre sites (XSS).

Vulnerabilidades em aplicativos que fornecem acesso remoto ou ataques baseados na Web e vulnerabilidades de scripts entre sites (XSS) são exemplos de diferentes tipos de hackers. A injeção de código JavaScript prejudicial em um site é conhecida como ataque XSS.

Este código é então executado por usuários desavisados ​​que visitam seu site. Se for bem-sucedido, isso pode permitir que o invasor roube dados confidenciais, como cookies ou informações de sessão.

Você pode evitar ataques XSS usando uma política de segurança de conteúdo e validação de entrada.

3. Falsificação de solicitação entre sites

Os ataques de falsificação de solicitação entre sites (CSRF) ocorrem quando um invasor usa um site para enganar um usuário para que ele envie uma solicitação prejudicial.

Isso pode permitir que o invasor execute ações em seu site em nome do usuário, como alterar a senha ou fazer compras não autorizadas.

Tokens CSRF e políticas de mesma origem podem ajudar a prevenir ataques CSRF. (Leia também: Proteção de dados e privacidade dos EUA em 2020.)

4. Ataques de negação de serviço

Os ataques de negação de serviço (DoS) são um tipo de ataque em que o invasor tenta tornar seu site indisponível para os usuários.

Isso geralmente é feito inundando seu servidor com solicitações, fazendo com que ele fique sobrecarregado e incapaz de responder a solicitações legítimas.

Você pode evitar ataques DoS usando filtragem e limitação de taxa.

5. Ataque Man-In-The-Middle

Os ataques Man-in-the-middle (MITM) incluem, por exemplo, ataques de espionagem — em que um invasor interfere na comunicação entre duas partes. Isso pode permitir que o invasor escute conversas ou até modifique dados em trânsito.

Criptografia e assinaturas digitais podem impedir ataques MITM.

6. Ransomware/Ransomware como Serviço

Ransomware é um tipo de software malicioso que normalmente envolve um invasor criptografando arquivos e exigindo pagamento na forma de moeda digital para descriptografia. Muitas vezes, é distribuído por e-mail, downloads ou sites comprometidos.

Ransomware como serviço (RaaS) é uma adaptação de ransomware de baixo código que os hackers podem comprar na dark web e usar para realizar explorações de ransomware, como e-mails de phishing, sem precisar saber codificar.

Você pode mitigar os efeitos negativos de um ataque de ransomware por meio das seguintes diretrizes da Agência de Segurança Cibernética e Infraestrutura (CISA):

7. Compromisso de e-mail comercial (BEC)

Um comprometimento de e-mail comercial (BEC), às vezes chamado de ataque “man-in-the-email”, ocorre quando hackers se infiltram nos dados críticos de uma empresa por meio do sistema de e-mail da organização. As manifestações comuns deste tipo de ataque incluem:

  • Fraude executivaem que os hackers personificam a liderança de uma organização.
  • Faturas falsasem que os hackers solicitam transferências financeiras para suas próprias contas.

Essa ameaça é notoriamente difícil de sinalizar, pois os e-mails maliciosos geralmente não contêm malware ou outros pilares de e-mails fraudulentos. No entanto, mantendo-se atualizado sobre as práticas recomendadas para evitar ameaças semelhantes, como spear phishing, você pode ajudar a proteger seu sistema de e-mail contra BECs. (Leia também: Como evitar ser phishing.)

Estes são sete exemplos de ameaças cibernéticas; mas há muitos mais. Para obter informações adicionais sobre esses e outros perigos, visite o site da OWASP.

Conclusão

Simplesmente tendo um site não garante que será útil para os visitantes. Portanto, é essencial garantir que seu site esteja sempre acessível. Isso significa ter uma defesa robusta contra as principais ameaças cibernéticas atuais e, para desenvolvê-la, você precisa conhecer as principais ameaças cibernéticas atuais e como elas podem comprometer a segurança do seu site. (Leia também: As 5 principais ameaças cibernéticas de 2020.)

A linha inferior é esta: você deve certificar-se de que seus dados estão protegidos contra hackers e perdas. Isso inclui manter seus dados e os de seus usuários seguros.

E seguindo as diretrizes deste post, você pode ajudar a proteger seu site contra ataques.

Gostou? Compartilhe!
© 2021 - Desassossegada. All Rights Reserved.