09.05.16 • Em Comportamento

Antes de começar a ler esse post, é importante que você saiba: todos temos medo e coragem, amor e ódio, força e fraqueza, ansiedade e tranquilidade, raiva e paciência, tédio e disposição e todas as dualidades de emoções dentro de nós. E todos nós experimentaremos estas emoções ao longo da vida.

Imagino eu que a maioria das pessoas concorda que medo, ódio, fraqueza, ansiedade, raiva, angústia e várias outras emoções que existem são negativas, indesejadas e não nos fazem sentir bem. Mas elas estão aí dentro de você e podem se manifestar a qualquer momento.

Como lidar com a raiva, a tristeza, a angústia e outras emoções indesejadas

Existem vários tipos de atividades, tratamentos e terapias que podem te ajudar a diminuir a incidência destas emoções – se elas são frequentes, é importante buscar esse tipo de ajuda – mas o que fazer quando perdemos o controle ou quando elas simplesmente se manifestam sem motivo? O que fazer para voltar para a positividade quando um sentimento indesejado surge?

Primeiro, acho que é essencial falar sobre o que não devemos fazer nestas situações, porque é justamente isso o que a maioria das pessoas faz.

Não reprima suas emoções. Não tente negá-las a si mesmo. Não brigue com você. Não finja que está tudo bem na tentativa de se enganar. Não se proíba de sentir determinadas emoções.

Falso bem estar é pior do que um verdadeiro mal estar. Não permitir que uma emoção sua exista é destruir uma parte de você e impedir-se de ser inteiro. Quando você nega o seu “lado negativo” está rejeitando algo que é seu e que te faz ser quem você é. Sem contar que, cada vez que você luta para combater aquilo que está sentindo, estimula ainda mais o sentimento indesejado.

Quando você está com raiva e começa brigar com a sua emoção, a pensar “não posso sentir raiva porque sou uma pessoa boa” e fingir que está totalmente em paz, atiça ainda mais a raiva e a torna ainda mais desagradável.

Se estiver triste e não aceitar essa tristeza, você não vai ficar triste apenas pelo motivo que te deixou assim, mas também porque não quer aceitar que está triste.

Se estiver se sentindo ansioso e disser a si mesmo que precisa URGENTE parar de se sentir assim e ficar bem o mais rápido possível, estará criando mais um motivo para sua ansiedade crescer.

Quanto mais você tenta forçar a expulsão de uma angústia, mais angustiado ficará ao perceber que não consegue se livrar dela.

Como lidar com a raiva, a tristeza, a angústia e outras emoções indesejadas

Por outro lado, se você não brigar, não criar uma discussão interna, não reprimir e não apressar a ida da emoção embora, ela não terá estímulos para crescer e seguirá seu caminho natural, que é se dissolver e diminuir até que não tenha mais importância nem te afete mais.

É fácil fazer isso? Pelo menos nas primeiras tentativas não, não é. Mas ter consciência de que você pode escolher uma atitude diferente e menos prejudicial é um bom primeiro passo para aprender a lidar de forma mais inteligente com o seu emocional. Se você tem sofrido com instabilidades de humor, crises de ansiedade e stress por exemplo, vale tentar olhar para si mesmo com essa perspectiva diferente e ver o que acontece.

Da próxima vez que uma emoção indesejada surgir, lembre-se que brigar com ela é uma forma de estimulá-la. Você pode apenas respirar fundo, aceitar e deixar fluir, ou então tentar alguma das ações abaixo (ou outra que te faça sentido para você):

  • Energize o momento presente com amor

Aceite com amor que aquilo esteja dentro de você. Lembre-se de se amar por inteiro. Ame suas imperfeições e dificuldades assim como ama as suas qualidades. Olhe para dentro de si, encontre a energia de amor que existe em você e espalhe-a para todos os lugares, tanto internamente como externamente.

  • Fale

Falar é terapêutico. Alguns anos atrás eu fiz terapia por alguns meses e muitas vezes na consulta eu apenas falava, falava e falava. Tinha dias que a psicóloga não propunha nenhuma atividade, ela apenas me deixava falar. E eu ia embora me sentindo completamente diferente do que cheguei: mais tranquila, mais leve, mais relaxada e mais feliz. Falar sobre o que estava me incomodando fazia diminuir a intensidade daquilo dentro de mim. Quando você desabafa e coloca pra fora aquilo que está remoendo dentro de si, consegue enxergar a questão com mais clareza e sente alívio por poder externar o que te incomoda. Fazer terapia é fantástico, mas você pode também desabafar com alguém da sua confiança, uma pessoa atenciosa que te escute e não te julgue.

  • Expresse

Grite, chore, se movimente, se recolha… faça o que seu corpo e seu coração estiver te pedindo. Quando você se reprime e não se permite expressar aquilo que está sentindo da forma que necessita, cria um conflito dentro de si. Em algumas situações infelizmente temos que usar nosso corpo para fingir estarmos bem, mas, sempre que puder, expresse suas emoções. Para a sua paz interior, é sempre melhor se permitir sentir e expressar do que reprimir.

  • Lembre-se de duas coisas: 1) você não é e não tem que ser perfeito, 2) tudo passa

A menos que você sofra de uma patologia como depressão e ansiedade (nestes casos, é indispensável procurar um profissional), saiba que estas emoções são passageiras. Às vezes elas passam mais rapidamente, outras vezes mais lentamente, mas sempre passam. Saiba também que você está fazendo o melhor que pode para lidar com o que está acontecendo. E que é muito mais importante ser quem você realmente é, com seus problemas, dúvidas, inconstâncias e tristezas, do que viver para provar para os outros (e para si mesmo) que você é perfeito.

Como lidar com a raiva, a tristeza, a angústia e outras emoções indesejadas



Curta o Desassossegada no Facebook para acompanhar todos os posts e novidades do blog!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Postado por Stephanie Gomes

Comente usando seu Facebook





13 Comentaram para “Como lidar com a raiva, a tristeza, a angústia e outras emoções indesejadas”


G
1. Alisson
09/05/2016 às 13:42

Ei Stephanie, tudo bem com você?

Adorei o texto e a tirinha no finalzinho se encaixou ao tema perfeitamente!

Se me permite adicionar uma ação, acrescentaria “exercite-se”! É impressionante como o exercício físico nos faz bem. Ao corpo, espírito e mente.

Recomendo que toda reflexão e todo impasse sejam acompanhados de uma bela dose de movimento. Uma caminhada, corrida, um passeio de bike ou qualquer outro que lhe convier. O exercício estimula a circulação e nos permite pensar de forma mais clara além de, obviamente, ser uma prática muito saudável.

Agradeço pelas palavras do post, que sempre me fazem bem 🙂

Abracos!


G
2. Stephanie
09/05/2016 às 19:53

Oi Alisson, tudo ótimo!

Você tem toda razão, exercício físico é uma terapia completa! Obrigada por complementar 🙂

Beijos!


G
3. Beatriz Helena
09/05/2016 às 16:33

Boa tarde. Antes de mais, agradecer pelas palavras, pelas colocações sobre sentimentos que são tão constantes neste mundo industrializado-globalizado-estressado. Ler o que você escreve contribui para retomar ou reforçar o meu contato com minha humanidade, na medida em que lidar bem com tecnologias e avanços materiais não me aproxima em nada de ser uma máquina, embora pareça às vezes, que é isso que esperam de nós. Depois, dizer que é fundamental que se fale sobre isso e que você me ajuda muito. Um abraço.


G
4. Stephanie
09/05/2016 às 19:44

Que coisa boa receber um comentário como o seu, Beatriz! Obrigada por complementar a reflexão.

Beijos


G
5. Cristiane Scucato Braz
09/05/2016 às 19:24

Tenho as patologias descritas, ansiedade e depressão e mesmo assim, a matéria pode ser muito útil para mim. Parabéns, excelente abordagem. Revejam somente esta questão de que não aplica-se a pessoas com estas patologias, pois foi uma das matérias mais esclarecedoras e estimulantes que já li.


G
6. Stephanie
09/05/2016 às 19:41

Cristiane, que bom saber que o post te ajudou! Eu não quis dizer que essa abordagem não se aplica a pessoas com estas patologias, pelo contrário! Podem ajudar sim. É que eu sempre me preocupo em destacar que procurar um profissional é importante quando trata-se de um caso mais complicado, até porque não sou profissional e o que escrevo aqui pode não ser suficiente para algumas pessoas. Em certos casos é necessário acompanhamento de um médico, porque depressão e ansiedade são problemas sérios, nem sempre o que escrevo aqui ajuda a todos. Não quero que ninguém saia daqui pensando “isso não funciona pra mim, então não tenho jeito mesmo”. Entende?

Beijos!


G
7. André
10/05/2016 às 09:20

A partir do momento em que eu passei a externalizar o que eu sinto, houve uma grande diferença na forma de conduzir minha vida. Afinal, eu desisti de bancar o filho perfeito, o amigo perfeito, ou o namorado perfeito. É um peso muito grande, que não me fazia bem. E curioso, Stephanie, que outro dia eu estava escutando uma música (pirate bones, da Natasha Bedingfield) que fala especialmente disso.


G
8. Stephanie
10/05/2016 às 22:53

André, você falou TUDO! Quando a gente para de alimentar essa expectativa de perfeição sobre nós mesmos nos libertamos de um peso enooooorme, e tudo muda!
Vou procurar essa música agora mesmo!

Beijos!


G
9. Ana Tolardo
10/05/2016 às 10:56

Stephanie,

A serenidade com que você escreve sobre os mais delicados temas é inspirador!! Acompanho sempre o seu blog, parabéns!!


G
10. Stephanie
10/05/2016 às 22:45

Que delícia de elogio, Ana! Obrigada pelo carinho <3


G
11. Ticiana
10/05/2016 às 16:12

Adorei seu texto, sua abordagem do tema foi muito acertado. O mais importante é todos saberem que não são os únicos a terem sentimentos ruins, sejam patológicos ou não. As dicas também são muito boas. Parabéns.


G
12. Stephanie
10/05/2016 às 22:44

Exatamente, Ticiana! Às vezes a gente pensa que somos anormais, que nossa vida é a pior de todas, que tá tudo errado… quando na verdade é natural sentirmos emoções negativas de vez em quando, fazem parte de nós e fazem parte da vida, e é assim com todo mundo.

Que bom que gostou do texto 🙂

Beijos!


G
13. Tainah
11/05/2016 às 16:23

Grata!!!! Me ajudou muito!



Comentar

Nome:

Email:

Site/Blog: